Você está aqui: HomeNotícias › Notícia completa
17/11/2014 às 00:26
Mandingas, patuás e afins...

Como você se protege? Ou o que lhe faz se sentir mais seguro?

São perguntas como essas que nos questionam e que, se feitas de pronto, infelizmente a grande maioria das pessoas que se dizem católicas fervorosas não sabem responder!

Primeiramente, reconheçamos que nossa fé é clara e que não pode ser confundida com gostos, os mais diversos, nem com qualquer modismo, a bel prazer...

E o que reza a nossa fé?

Que uma vez que o nosso Salvador morreu e ressuscitou por nós, e que assumimos desde então o sobrenome de cristãos, que o maior símbolo de nossa fé e que a representa, é a CRUZ!

Mas seria necessário reafirmar nossa fé, após 2.000 anos de Cristianismo? Com certeza!

Quem dera não precisássemos estar escrevendo este artigo, mas a sua necessidade se impõe, uma vez que mais e mais vezes hoje em dia se faz urgente precisarmos em que, ou em quem (no nosso caso) nós acreditamos!

Sem desrespeitar nenhuma crença, porque cada um acredita naquilo que quer e lhe convém; uma vez que nossa fé é de proposta e não imposta, mas venhamos e convenhamos: um católico que deixa a cruz para se apegar a crendices e modismos? Realmente está totalmente fora daquilo que a Igreja prega!

Quer exemplos? Vejamos:

Uma pessoa que se apega a uma pulseirinha ou pingente de pimentinha, simplesmente porque pensa estar sendo protegido de mau olhado, olho gordo e afins, não está negando a sua fé, ao invés de reafirmá-la? É claro que está.

E o que dizer daquelas pessoas que usam um escapulário de Nossa Senhora como se estivessem usando um patuá? É claro que estão enganadas.

Irmãos e irmãs nossos que tem numa pata de coelho, a razão de sua sorte ou segurança? Bobagem. O que temos com isso? Apenas um coelhinho manco.

E a figa, aquela mãozinha com os dedos cruzados? Que propriedade mágicas ela teria? Nenhuma! Quando muito, se repetida à exaustão por nós, nos atrairia uma tendinite.

Trevo de quatro folhas? O que tem de mais? Muitas outras plantas tem em suas ramagens, muito mais folhas e nem por isso são mais agraciadas. Aliás, nosso Senhor mesmo nos lembra do grande cuidado que devemos ter em não sermos como a erva verde do campo, que de manhã está verdejante e a tarde logo seca e está pronta para ser queimada.

Mais exemplos? Vamos lá.

Olho grego. Espera lá gente. O nosso Deus é Senhor de todas as nações e nunca restringiria seu olhar apenas aos gregos, aos quais São Paulo apóstolo, oportunamente admoestou, ao relembrá-los que em meio a tanta idolatria, até mesmo um altar ao deus desconhecido eles tinham. Naquela ocasião, a astúcia paulina foi mais ágil e recordou-lhes que devessem louvar Jesus Cristo, justificado por Deus também em favor deles.

Mão egípcia, cruz de caravaca, tudo modismo importado que em nosso país, o maior católico, só vem confirmar nosso desconhecimento do legado que nossos pais nos deixaram. Abandonamos a fé segura em favor daquilo que sequer conhecemos de onde vem!

Isso para não nos atermos nas ferraduras, elefantinhos e tantos outros mimos que vamos tomando como certos e que só nos escravizam.

Enfim, é chegado o momento de refletirmos a respeito de nossa fé, e a assumirmos de fato, como pessoas muito amados por um Deus que nos doou tudo, até mesmo o seu Filho para que morresse por nós numa cruz, apagando nossos pecados e invertendo aquele lenho da árvore do pecado em instrumento de salvação.

Creiamos naquilo que de fato nos salva, assumamos de fato nossa fé, através da CRUZ DE CRISTO e tenhamos a certeza de estarmos sendo até mesmo aos olhos do mundo, coerentes com aquilo que professamos!

 

 

 

 

Veja mais sobre Notícias [+ notícias]

Edições Digitais

 

Acompanhe aqui as escalas do mês.